quinta-feira, 4 de abril de 2013

Desabafo de um Atleta Master Brasileiro


Edson Pessanha com a atleta Conceição Geremias
Queridos amigos(as). reproduzo abaixo um desabafo do meu amigo e grande atleta master Edson Pessanha Júnior (dono do site Master performance - Velhos de Treinam), o qual tive a honra de conhecer por intermédio de outro grande amigo, Antônio Carlos Assis "Baiano", durante o evento Sulamericano Master de Atletismo, realizado na cidade de Arequipa/Peru. Atleta que, como eu e muitos outros "heróis" que fazem parte do atletismo master brasileiro, seguem na luta para alavancar o esporte master nacional, sem ganhar nada em troca. Muitas vezes tirando do próprio sustendo para custear despesas com viagens, alimentação, etc, etc...
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Olá, meus caros amigos masters. Tudo o que é bom tem um fim. Acho que fiz a minha parte, pelo menos por ora.  Vocês devem ter notado que as atualizações do site estão bem demoradas. Tudo fruto da falta de tempo e da opção estratégica por outras prioridades.  Não consigo mais dar a atenção necessária para a categoria e para o atletismo.  O máximo que tenho alcançado é manter meus treinos diários.
As 24 horas são pouco, talvez umas 30 dessem. Como o meu objetivo sempre foi o de fazer o melhor, optei por me retirar.  O site ficará paralisado, até que, daqui há uns meses saia definitivamente do ar. Quem sabe futuramente, quando tudo estiver no seu devido lugar possamos retornar.
O certo é que em certa de 7 meses de existência, o MASTERPERFORMANCE, sem ter retorno financeiro algum, obteve quase 2.600 acessos, muitos comentários (todos positivos), incentivou muita gente a iniciar ou reiniciar seus treinos, a manter-se no esporte, a se interessar pela categoria.  Fico feliz de coração por isso. Quando comecei, procurei dar uma visão de menino a um site para velhos, hehehe. Em outras palavras, procurei mostrar que o atletismo é um só, fascinante, emocionante, gostoso de praticar, independentemente da idade. 
Os que assimilaram a ideia puderam comprovar isso.  Nos últimos tempos temos convivido com muita falta de apoio. Noutro dia, enviei meu currículo, junto com uma proposta de patrocínio que incluía somente itens de minha dieta de atleta(pouca coisa) para uma empresa de alimentação. Os caras sequer responderam. Da mesma forma, encaminhei proposta de patrocínio para a prefeitura de minha cidade. Eu era o atleta de melhor currículo, contando até mesmo com um vice-campeonato mundial.  Muitos conseguiram.  Eu, não. Em Arequipa, cheguei a comentar com um dirigente da ABRAM, sobre a possibilidade de a Associação interceder, pelos atletas que estão realmente treinando e em bom nível, junto a companhias aéreas, mas as respostas sempre foram obstáculos(que eu não consigo enxergar). Para cada argumento, um contra-argumento, ao invés do acolhimento. Não quero falar mal da ABRAM, afinal é a nossa associação, a entidade máxima do atletismo máster no Brasil, o fio de esperança para que tudo melhore.  Mas, sinceramente, eu esperava mais.  Mais do que somente divulgar para o mundo o mundial.  Aqueles que gostam de treinar, de competir em bom nível, de representar dignamente o Brasil precisam de mais carinho e atenção.  Falta o entendimento de que somos atletas, aliás entendimento que em nível mundial já existe, tanto que a IAAF já premia os melhores másters junto com as demais categorias, sem discriminação.  Aqui no Brasil, andamos a passos largos para trás.
A legislação é flagrantemente discriminatória, os governos e as empresas também. Se analisarmos bem, muitos de nós também o somos. 
Falta à maioria de nós, a compreensão de que muito além de sermos veteranos, somos atletas e como tal temos que nos portar.  Não dá para querer participar de competições sem treinar duro, sem ter um nível razoável.  Isso não é esporte, é piquenique.  A nós másters de performance – posso me incluir, afinal não estou deixando o esporte – só resta prosseguirmos nos treinos, sem esperar nada que possa nos estimular na caminhada.  Aos que estão de volta, escolho uma frase proferida por um ex-presidente dos Estados Unidos:  “Não pense no que o atletismo máster fará por você.  Pense no que você pode fazer pelo atletismo máster”. Não espere por estádios lotados, nem por parabéns quando você ganhou a medalha de ouro, nem por competições com muitos participantes, muito menos por assédio de repórteres ao fim da prova. A felicidade sempre estará em você.
Finalmente, não cogite fazer marcas que fazia quando era jovem. Entenda que, a despeito de sua mente não ter envelhecido, seu corpo já não é o mesmo.   Se você ousar discordar, as contusões virão. Assimile suas possibilidades e vá até onde atingir, sem se decepcionar.  Lute para manter-se no esporte e para incentivar outros tantos a voltarem a praticá-lo. Há muitos doentes precoces neste país. Todos têm direito a um envelhecimento saudável.  Anime-se e apoie quem gosta do esporte master.
Por fim, deixo meu abraço e meu agradecimento a todos os que, assim como eu, se divertiram com o site.
Se desejar manter contato, envie email para: edpessajr@hotmail.com

Fonte: 
http://masterperformance.webnode.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário